quarta-feira, 30 de abril de 2014

Mudar de atitude!


sábado, 26 de abril de 2014

Que alguém me explique...

Hoje foi dia de tratar de mim... deixar o puto com uma amiga e rumar ao salão de beleza, porque sim eu também mereço. Estes dias foram tão atarefados, que precisava nem que fosse de uma hora a olhar para as revistas cor de rosa e pensar em banalidades. 

Como em qualquer salão de cabeleireiro, mesmo de outro país tem toda a panóplia de vernizes, cremes, tintas e acessórios para venda e assim satisfazer todos os caprichos das suas clientes. Mas com esta oferta é que eu não esperava, juro! Ao meu lado um expositor com vários exemplares e passo a transcrever "Kitty Carpet Pubic Wig", sim leram bem: uma peruca para os pêlos púbicos! Desculpem a minha admiração e principalmente falta de cultura neste aspecto.

Perante a minha cara de incredulidade, do que estava a ler, o John meu cabeleireiro riu-se e explicou-me para o que era, detalhadamente! 
Deixo o link onde se pode comprar bem como a imagem do produto bem como a descrição do mesmo, e pasmem-se: este produto foi pensado nas mulheres!

http://www.shopinprivate.com/kitty-carpet-merkin-blonde.html


"Ever find yourself in the rare situation where your lack of pubic hair became an embarrassment instead of a hard-earned achievement? The Kitty Carpet can help you solve this unique problem. Kitty Carpet is a soft, adhesive merkin that fits over your pubic area to supply you with pubic hair when you need it most.

Going to the beach with your grandmother? Dating an Amish guy? Filming a nude scene in a 1920s period piece? The Kitty Carpet can give back a piece of what nature intended you to have.

Or maybe your carpet just doesn't match the drapes. That's one of the reasons the Kitty Carpet is available in Black, Blonde and Pink.

Cover your lady bits with a Kitty Carpet in any situation where you don't want to show the full monty. Just cut the carpet to your desired size and shape, and use the included skin-safe adhesive to stick it to your kitty.
"


sexta-feira, 18 de abril de 2014

Este ano vai ser diferente...

Se nos outros anos da minha vida, passava a Páscoa com a minha família, este ano vai ser deveras diferente. É certo que no outros anos arrastava-me, quase contrariada, para casa dos meus pais e assim cumprir mais um ano de abrir a porta ao Sr. Padre e beijar a cruz, comer até não poder mais e ficar ali a domingar. Este ano, com a família longe, não sei se sinto falta, mas já dei por mim a pensar umas quantas vezes, que este ano vai ser diferente. Diferente, porque não estamos com quem normalmente costumamos estar todos os anos da nossa vida.

Aqui em UK, o espírito pascoal já existe há um tempo. As lojas aderiram às montras com coelhinhos e ovinhos. Os miúdos como estão de férias decorre na cidade uma parafernália de actividades com o tema principal a Páscoa, destaco a actividade de caçar os ovos pintados e decorados pelos miúdos. Não deixa de dar cor e vida à cidade. Ah! Quase que me esquecia, e é claro que mais uma festividade é motivo para se comprar um cartão a desejar uma boa Páscoa a todos os nossos amigos e conhecidos. É algo que sinceramente ainda me estou a habituar. Existem lojas só com estes cartões, ora troca-se de casa oferece-se cartão, faz-se anos e levas mais um, o que sinceramente não deixa de ser engraçado. 

Um óptima Páscoa a todos e desfrutem de quem está ao vosso lado! 

Sejam felizes.


quarta-feira, 16 de abril de 2014

As amizades distantes

Sempre tive a noção, que na minha vida tive muita gente ao meu redor, mas poucas pessoas das quais considero meus amigos. Amigos, daquelas pessoas que podemos contar de olhos fechados e que estão ali sempre à nossa espera acontença o que acontecer. Hoje fiquei triste, magoada e até ressentida. Mais uma amizade (ou possível) se foi embora, sem dar aviso prévio, bateu a porta. As pessoas desiludem-nos, nós acreditamos, entregamo-nos e quando menos se espera lá levantam o seu bilhete de ida sem volta. 

Apesar da distância tento sempre manter o contacto com as pessoas que me são queridas. Hoje em dia, com as novas tecnologias é tudo tão fácil, o que custa uma mensagem só a perguntar se está tudo bem? Mas, quando mandamos diversas mensagens sem retorno, é normal que fiquemos preocupados quando não obtemos resposta, e aí telefonamos. Ora e é aí que o nosso coração ou sossega ou sangra. O meu sangrou, levei com um resmungo do outro lado e uma insinuação que estou na boa vida de emigrante. 

Hoje levo-me a perguntar o porquê? Sou eu, são as pessoas ou é da minha pouca sorte neste âmbito? Faço-me de forte e digo para mim mesma, que o caminho é para a frente e que disto tudo se tiram lições importantes e que não fazemos duas vezes o mesmo erro. Talvez se disser muitas vezes, o meu intímo mude. A distância do nosso país além de todas as outras coisas que sentimos saudades, o que nos falta são as relações, as amizades, o calor das reuniões de pessoas que sempre estiveram connosco. Agora estamos neste processo, encontrar e adaptarmo-nos a novas pessoas e esperemos a novas amizades. :) 
Sejam felizes.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Frase do mês

"Daqui a alguns anos você estará mais arrependido pelas coisas que não fez do que pelas que fez. Então solte suas amarras. Afaste-se do porto seguro. Agarre o vento em suas velas. Explore. Sonhe. Descubra." (Mark Twain)

 Seja feliz :)

domingo, 6 de abril de 2014

Desabafo

Questiono-me diversas vezes se eu estou a ser uma boa mãe... Se faço o correcto, se protejo de mais ou de menos, se devia insistir para ele comer ou não... Ufa! Tanta coisa! Muitas interrogações, muitas dúvidas para quando se quer transformar aquele pequeno ser numa pessoa fantástica, feliz e com bons princípios. Educar é amar e eu amo mais do que nunca este pequeno grande presente que tive quase há dois anos. Com dois anos os famosos "terribel two", já começaram as traquinices, o medir da nossa paciência, o experimentar, desobedecer e outras coisas mais. E como consequência disso apanhei os meus primeiros sustos, há três semanas atrás o meu pequenino partiu o cotovelo. Fiquei apavorada, lá fizemos uma visita ao hospital para depois numa conversa com o médico ele descansou-me e disse que aquilo "É normal, eles pulam, brincam e caem!" Simples as palavras mas explicar isto ao nosso coração de pais é muito complicado... ficamos com a noção de que nada somos, quando aquilo que mais amamos está ali a chorar e a sofrer. 

Hoje foi mais um dia de coração nas mãos, o pequeno petiz a dançar lá caiu (outra vez) e na sua testa lá nasceu um galito...ao falar com a avó ao telefone, como fazemos todos os dias lá lhe contei o que tinha acontecido. E é nestas alturas que me sinto a pessoa mais inútil e pequena do mundo... o comentário que ouvi do outro lado foi "Voçes têm de ter cuidado! Qualquer dia podem tirar-vos a criança! Tantos acidentes!" Ói!! Tirar? Mas isto está tudo louco! E os disparates continuaram "Ontem vi a fotografia que mandaste, tu quando saires com ele à rua coloca-lhe um barruço! Cortaram o cabelo muito curto! Que horror!" Cortamos o cabelo ao pequenito um pouco mais curto que o normal, mas acho que não é o fim do mundo... as minhas respostas a isto lá foi dar uma desculpa e desligar esta chamada rápidamente. E é aqui que me sinto a pior mãe do mundo em que o meu trabalho primordial que é cuidar deste ser não está a ser a 100%! E claro que há sempre comparações com os outros netos, ora porque ele começou a andar com x meses ou a falar e o meu filho foi mais tarde, blá blá. Não sou contra a este tipo de comparações mas há maneiras e maneiras de as dizer.

Hoje foi assim o começo da minha manhã! E sem eu querer este assunto vai ficar insistentemente na minha mente a martelar, até chegar o meu amor mais velho e me abraçar e dizer que estamos a fazer um bom trabalho e que o nosso filho está feliz, que não temos nenhuma cartilha para ler de como educar o nosso filho, mas que temos amor para dar e vender e que somos felizes!

quinta-feira, 3 de abril de 2014

The Good Wife

Uma série que me faz vibrar do ínicio ao fim, um episódio uma vez por semana, o que chega a ser uma tortura, porque fico anciosa por saber o que vem aí a seguir. Para quem não segue a série, em poucas linhas trata-se de uma série emocionante, cativante e olhar para aquela mulher cheia de garra e que apesar de estar sempre muitíssimo bem vestida e com uma posição marcante, é uma mulher que também ama, chora e ri. Em UK vamos na 5ª temporada, e advinhem lá hoje é dia de mais um episódio! :)

Deixo-vos aqui um resumo feito pelo canal FOX Life:

"Alicia Florrick (Julianna Margulies) é uma esposa e mãe que reclama o controlo da sua vida pessoal e profissional depois de o seu marido, Peter (Chris Noth), estar envolvido num escândalo sexual e de corrupção política. Voltando ao mundo do trabalho, ela consegue emprego numa das mais importantes empresas de advogados de Chicago tendo ultrapassado o seu rival Cary Agos. Este, recentemente, voltou para a empresa depois de ter trabalhado como advogado do Estado e para Peter que acaba por ser reeleito depois de sua condenação ter caído por terra.
Há quatro anos como associada, a carreira de Alicia está a correr na perfeição e com a sua parceira Diane Lockhart expressando cada vez mais interesse em continuar a ser sua mentora. Apesar de Alicia pensar ter encontrado uma aliada em Kalinda, a investigadora enigmática da empresa, ela fica devastada ao saber que Kalinda teve um caso com Peter. Alicia separa-se de Peter e rapidamente começa um jogo de sedução com Will Gardner, o outro parceiro da empresa. Apesar da sua traição, Alicia tem sentimentos conflituosos em relação ao seu ex-marido, que se muda para a antiga casa de família com os seus filhos adolescentes, Zach e Grace, e lança uma campanha governamental com a ajuda do consultor de imagem Eli Gold. À medida que Alicia se adapta a todas as mudanças que acontecem em casa e no trabalho, ela continua a redefinir e redescobrir a mulher que sempre desejou ser."